Pomadas farmacêuticas para tratar e curar o Vitiligo.

Send to Kindle

Leucoderma, conhecida como vitiligo, afeta cerca de 2% da população mundial. A doença foi identificada faz décadas, mas a cura exata e garantida ainda não foi descoberta pela classe médica.

O Vitiligo caracteriza-se pelo repentino desaparecimento da cor da pele, ou seja, pela despigmentação dermatológica. Na maior parte dos casos, o problema começa na cara ou nas mãos, espalhando-se por todo ou quase todo o corpo com o passar do tempo. O vitiligo pode atingir qualquer zona da pele, podendo eventualmente aparecer em zonas com pelos, tais como nas sobrancelhas ou no couro cabeludo.

Investigações médicas realizadas conseguiram identificar diversos fatores que podem contribuir para a súbita manifestação deste problema dermatológico:

  • O primeiro fator é genético;  Se algum dos seus pais, avós ou parente próximo tiver vitiligo, é bastante provável que você tenha a predisposição genética para também desenvolver a doença.
  • O segundo fator é o seu estilo de vida. Se você viver de um modo pouco saudável, consumindo drogas prejudiciais ou fumando, existe uma maior possibilidade do processo de despigmentação dermatológica se iniciar, caso exista a predisposição genética ou outra.
  • O terceiro fator é o nível de estresse. Elevado estresse pode desencadear o problema, ou piorá-lo bastante, caso você não consiga reduzir ou eliminar esses níveis indesejados de estresse.

Existem três tipos de pomadas, produzidas em laboratórios farmacêuticos, utilizadas sob supervisão médica:

  1. A primeira destas pomadas são constituídas por corticosteroides tópicos. Basicamente, a função deste tipo de creme é prevenir a inflamação da pele, pois as inflamações dermatológicas são um motivo de agravamento do vitiligo. Para que sejam eficazes, deverão ser aplicadas durante um período de tempo específico. Não existe garantia de que possam travar o desenvolvimento da doença, mas as propriedades anti-inflamatórias dos corticosteroides ajudam a reduzir o problema, sobretudo se o seu problema forem apenas pequenas zonas de despigmentação. Desde que essas áreas afetadas sejam reduzidas, o uso de pomada com corticosteroides tópicos poderá ser uma boa opção, pois poderá ser facilmente aplicada diversas vezes ao dia, além de não ser um medicamento caro. Pode facilmente comprar várias embalagens da e guardá-las em casa, permitindo assim ter o medicamento sempre acessível.
  2. Outra substância química que tem sido estudada como uma potencial cura do vitiligo é a fenitoína. Em testes laboratoriais, a fenitoína demonstrou algum potencial devido à sua capacidade de diminuir a morte prematura dos melanócitos (células responsáveis pela pigmentação da pele). Segundo recentes estudos realizados na Universidade de Medicina e farmácia da Romênia, a fenitoína, aplicada topicamente como um gel, fornece à pele uma maior concentração da substância, produzindo por isso os melhores resultados. Parece que esta substância química só é efetiva em elevadas concentrações. Concentrações mais baixas do produto também tem alguma eficácia, mas a longo prazo deverão ser administradas doses mais fortes para conseguir resultados positivos em doentes com vitiligo.
  3. A terceira opção é o tratamento conhecido como PUVA (Psolareno + UVA). Psolareno é uma substância química sensível a radiação e UVA é a radiação ultravioleta A. O creme à base de Psolaren é utilizado juntamente com a fototerapia UV. Este é a abordagem mais convencional para tratar o vitiligo, sendo o método mais receitado pela maioria dos dermatologistas. Existem porém, alguns inconvenientes no recurso à fototerapia UV. Sobre esse assunto veja este artigo.

Quem leu este artigo, também leu:

Send to Kindle
Voltar ao início